23/02/2011

Maldade veloz

A vida é muito engraçada, você não acha?
Quantas vezes estive por cima, tantos foram os dias a passar a tarde em cima de uma seriguela sem ter muito que se preocupar com o mês que vem, eram apenas besteiras de adolescente e um menino fora do chão.
Tinha muito espaço pra meu corpo, muita cor pra uma mente que não queria se dividir fora daquele muro tão baixo; hoje já não estou lá e agora é um grande espaço vazio e sem vida. Gata, soim, beija-flor.. tudo ficou pra trás; seriguelas vermelhas, goiabas brancas, caju chupetinha, imbu e todas as outras singulares já não fazem parte do meu cenário.

Estes olhos que já viram muita beleza do sertão, vê outros olhos que só aprenderam a flertar mas nunca imaginar o mundo dentro de seu muro.
As escolhas já não estão entre minhas opções, mas sabe quando não se tem opção?! Construir uma vida para aproveitar melhor o seu fim, você não acha isso triste?! Essa história do capitalismo me tira do sério.
Chove chuva, leva tudo para o ralo.
Postar um comentário