27/08/2011

Vivemos Morrendo


Vivemos morrendo de fome, morrendo de sede, morrendo de frio, morrendo de calor, morrendo de medo, morrendo de saudade, morrendo de amor, morrendo de paixão, morrendo de raiva, morrendo de preguiça, morrendo de tédio, morrendo de ansiedade, morrendo em todos os minutos do dia.

Morrer parece algo tão natural, tão silencioso, tão calmo.. tão triste. Quando parei pra perceber que ela simplesmente nos toma a presença e o convívio daqueles que tanto amamos, parei atônico.. eu falei 'simplesmente'? mas como é difícil!
Porque não podemos apenas viver?

As atribuições de nosso dia faz com que nos matemos a cada instante, somos uma sociedade que vive por uma velhice confortável, por que não podemos ter uma vida digna hoje? existe mesmo a geração Z?
Hoje estou vivo, vivo pelas palavras e pelo silêncio das horas e dias incertos.

Quando eu fechar os olhos e mergulhar em meu sonho, espero estar deitado na grama.. descobrir desenhos em nuvem e rir nesta tarde de outrora; sonhar é uma forma de viver? porque não morremos em nossos sonhos e os sonhos não morrem, ou pelo menos não deveriam..


"Até agora só conheço a morte do sono. Vivo me matando todas as noites." (Clarice Lispector)

23/08/2011

Instintos

Despertar o desejo é natural, como ter um despertador.. um relógio interno sem o controle dos ponteiros; você disfarça, sem barulho, sempre. Como todos que um dia se foram, foram-se da mesma forma, o homem não mudou, ele continua o mesmo, só que em roupas de grife, mentes com costuras de uma linha da insegurança de sua personalidade; tenha o deleite de ser o mesmo homem, que tem sonhos, que deixam a humanidade sonhar.

Criar um base sem métrica, ver que seu chão está da mesma forma que sua preocupação em semeá-lo.. a chuva pode não vir, ou pode chover demais, existem percalços.





"And the thing that gets to me
Is you'll never really see
And the thing that freaks me out
Is I'll always be in doubt" (Animal Instinct - The Cranberries)

17/08/2011

Na sua boca


O cansaço deste dia me corroí, e o que mais penso é porque não aprendemos a fazer silêncio nas horas certas.. isso inclui meu silêncio. Nossa hipocrisia de seres tão pequenos.. escolher seu lado, um lado que defendes tanto e que no final das contas te deixam do lado de fora da casa; não se engane, eu já estou do lado de fora.. debaixo deste céu, mais embaixo de uma árvore de galhos firmes..

Quando começares a sentir todos os gostos desde velho vinho irá entender que a safra seguinte nunca se comparará a que está em sua boca.. não busque significados nem explicações alheias, sinta.. e verá que na maioria das vezes apenas sentira os efeitos da fermentação, não se culpe.

E eu? já cansei. Canso-me muito fácil.

16/08/2011

Um Café, no Fim da Tarde

E tudo se transforma em euforia, um leve bater de coração num ritmo alucinante, estar mais que por estar, sentir.. sentir como vento, vento que toma conta de meu espaço.. mais que vento! energia que toma conta de meus pensamentos.

Um espaço na distância dos dias, corro em círculos.. monto meu trilho, aprecio o frio de estar junto; junto estando a dias sem você.. sem você desde sempre; círculo sem sentido?! solidão sem motivo. O motivo encontro, encontro na ausência de tuas mãos, na ausência de teu tempo, de teu rio.

Vejo uma esperança, verde e inocente.. uma esperança quieta e e nem tão certa de ser a última a morrer.. mas o homem não se contenta em vê-la quieta, o homem quer segurá-la, ter o prazer de saber que pode matar, e morrer por último.. por vê-la frágil, por não se chamar esperança.. por não ter esperança.

Feliz nos encontraremos, juntos ou não, sem cafés ou beijos.. por saber que vivemos, por saber que nós nos tivemos, um dia, uma noite.. um dia.

12/08/2011

O Som do Coração (August Rush)


Um filme fantástico! a música está presente na vida de todas as pessoas, mas para algumas isso significa toda uma vida! indico sem medo de errar..

Se envolver em um cenário em que se respira música é muito bom, com belas atuações e um roteiro peculiar o filme te envolve numa sensação de frenesi até o última cena.
A trilha sonora é uma atracão a parte, você pode encontrá-la em sites de compartilhamento de música (vale a pena).

Sinopse:

Evan, garoto criado em um orfanato, possui um dom musical impressionante. Ele é o fruto do encontro apaixonado da violoncelista Lyla e do roqueiro Louis, que foram tragicamente separados pelo pai de Lyla. Cada um seguiu seu caminho, sem saber que Evan estava vivo, e com a única certeza de que haviam sido feitos um para o outro. Evan, em seu coração, nunca perdeu a esperança de encontrar seus pais. Em sua incrível busca, ele foge para Nova York, onde recebe a ajuda do "Mago", um empresário de rua. Uma história comovente, sobre a magia da música e o poder do amor.

Título original: (August Rush)
Lançamento: 2007 (EUA)
Direção: Kirsten Sheridan
Atores: Freddie Highmore, Keri Russell, Robin Williams, Leon G. Thomas III.
Duração: 100 min

08/08/2011

Carência

E como no estampido silencioso que invade meu espaço assim estou.. por percepção, por ter pele, por ter olhos e ver que tudo está diferente, que as horas correm de uma forma diferente, de uma forma que me agoniza e faz-me mais uma vez contorcer-me sobre meu próprio coração.

Eu não sou digno de sentir o belo? digno de encontrar o amor? sentimento esse sem dimensão ou explicação, tantas vezes testemunhado pelo mundo.. com sinônimos de mágico, eterno, perpétuo; mas a única coisa que não cessa é minha busca.. uma busca indefinida e conflitante.

Eu não quero paixão por paixão.. eu quero o 'pra sempre'
E se no final desta busca eu encontrar apenas o abismo, sentarei e acariciarei o fim da estrada, com sensação de missão cumprida.. sem mais resmungar, porque será o fim.

01/08/2011

De volta ao Cenário

E tudo que eu queria era ser o que sempre fui, quando no meio da estrada peguei o caminho errado e não soube explicar como voltar, de repente tudo que encontrei pela frente se tornou uma consequência de um teatro que não me prestei a fazer, uma música que me recusei a cantar, um filme que deixei de ver, uma boca que não beijei; e quando vi, estava entrelaçado entre continuar com tudo que encontrei a encarar um recomeço.

Mas uma vez colocado a prova de fogo, por paixões tantas vezes esquecidas, novamente me deparo com as falas nas mãos, com as letras a serem cantadas e com as bocas a serem sentidas; posso, se quiser, deixá-los sobre a mesa e novamente sair, não mais voltar a se apresentar, e mesmo assim, a vida nos dará mais uma vez a chance de recomeçar; estes intitulados de tormento, atos.. ou amor.

E mais uma vez estou sobre as estrofes, parágrafos e cenas.. sem roteiro, sem um tom definido, sem um titulo escolhido. "Escrever salva" e talvez assim eu salve mais uma vez estes momentos obscuros, que certa vez ouvi que, é na escuridão que se vê a luz.