18/12/2014

Berço Sensorial

Eu tentava imaginar um fim sem encontro, eu tentava acabar com o que nunca começou e fui perfurando todo o caminho sem conseguir acabar com a estrada que me levava a encontrar a infinita imagem sensorial, transcendental de tudo que sempre quis na curta passagem de minha vida.

Eram olhos que os colocaria dentro de um espelho para me encontrar sempre que eu olhasse para mim; ficaria tão parado e contemplativo quanto narciso sobre as águas.
É o aroma da brisa em felicidade, o toque suave do vento sobre a plantação de arroz, o ar quente do balão no arrebol.. tentei colocar em meus braços e segurar numa finda fração de tempo o que me leva a continuar a andar na saudade da beleza já conhecida e que me prendeu pela alma.

A vida é um mistério e viver a leve impressão do conhecimento escondido que é revelado pelos dias. Eu tentava acabar e hoje percorro o recomeço de tudo. Encontrar a vida é o anseio da própria vida.

Pintura: Duy Huynh

31/10/2014

Dias Desconhecidos

Um dia minhas palavras livres como deveriam ser, atingirá seu peito em cheio, será um baque, um golpe nunca esperado.

Entre linhas e dias de páginas preenchidas com tanto para tão pouco dizer, era um eu te amo, era um pedido de carinho, era a vontade de carinhar; entre tamanho barulho na ponta da caneta era a simples expressão do nosso sentimento.

O tempo é e foi necessário, mas é um necessário que nos tira muitos momentos, muitos batimentos cardíacos, nos tira dias desconhecidos.

Essa semana vi no jornal as lágrimas de quem perdeu alguém que amava, pensei se alguém estaria chorando e triste por quem esta se perdendo enquanto permanece em pé, junto na mesa do café, trocando sorrisos (sorriso de socorro).

Tudo isso pra resumir o dia de hoje, acha que não? Ah.. me diz como foram todos os dias de abril de cinco anos atrás?.. de três?.. hum..

Um dia minhas palavras, livres.. iram transpassar você e o tempo e serão conhecedoras de nossos dias.


16/10/2014

A Cor Dos Sentidos

Entre as cores do mundo escolhi a cinza para dar o tom refinado, o tom certo aos olhos e a perfeita sutileza de fixarem o olhar que produzem pensamentos curtos.

Tentei traduzir minha alma algumas vezes e em todas elas existem partes que desconheço seu verdadeiro significado, talvez aprender sumério fosse mais fácil.

Insisti em entregar-te à imensidão do mar e ele devolvia-me a cada tentativa emitindo seu som, que chegava a mim com singela brisa dizendo que em si já carregava sua própria beleza e seus próprios temores.

Cheguei até o deserto, seus fragmentos ao vento não me deixavam ver, tinha a escolha de entrar de olhos fechados e enfrentar a solidão que em si a tinha encontrado.


“Mas não somos todos estrelas perdidas
Tentando iluminar o escuro?
Quem somos nós?
Apenas uma partícula de poeira dentro da galáxia
O que sou eu?” (Lost Stars – Adam Levine)

Foto: Olivier Valsecchi

01/10/2014

Som da Sonda Sonar

Fecho os olhos e danço, na escuridão do sentido humano vejo-me em completo detalhe e perfeição com movimentos claros e precisos, sinto-me em desinibição e liberdade de expressão e encontro na solitária sala de espelhos a profunda sensibilidade de poder ser um sonho.

Sentado e em movimento crio no movimento da paisagem pela janela um mundo em que sou protagonista de uma música perfeita, em que posso andar em compassos, abrir a boca e cantar, gesticular a batida que pulsa e agita, chorar de felicidade sem questionamentos, dar beijos e distribuir abraços como se perfeito fosse à aceitação do amor fraterno ou passional.

Pink em apresentação ao vivo da música "Try"
Entramos no cenário agressivo natural.. então a sintonia do som nos muda a feição, batemos o pé e peitamos a situação com coragem de quem resolve problemas e não como quem cria a partir disso um cinismo para prolongar o que não tem necessidade; soltamos o impulso do conhecimento de quem já viveu para saber que não se precisa ser preciso e então somos quem somos, com som ou sem tom na procura de uma melodia representativa.

11/09/2014

Sobre os dias..

Preciso dormir mas estou em fuga, insistentes são os perseguidores que me cercam, quebro janelas para afugentar-me, escalo precipitações em busca de um momento de paz.. tento olhar para o teto ou o céu e me perder em alucinações, melhor seria fechar os olhos para que as lágrimas não escorressem para meus ouvidos; lutarei enquanto viver, sim, porque são poucas as formas de se estar longe do embate direto.

Mera ilusão achar que somos sempre vítimas, somos sempre perseguidores, nunca damos sossego a seja lá quem for, parece até certo ponto dois pesos e duas medidas a se formar em nossa mente. Somos tão sonsos quanto quando tirávamos a casca de nossas feridas.

Pintura: Duy Huynh
Fico imaginando a dor da liberdade tardia desde mundo, da ignorância nunca tratada ou reconhecida que fez com que a felicidade fosse apenas um objeto de ficção cinematográfica.

Quero ver onde vou chegar, por isso mantenho os olhos abertos, mesmo que as luzes não estejam acessas mantenho-os abertos, liberdade não sei se terei, mas se acaso eu perecer rememore meus olhos negros, porque estaria sempre a buscar a liberdade nos dada por natureza.

19/07/2014

Quem sabe lá..

Pintura: Duy Huynh
Enquanto eu tento fazer de meu mundo um lugar confortável para se estar, as coisas que guardo gritam no lugar onde reservei para ser o baú de tudo que tirei de vista. Eu sempre tentei ser o que realmente achava que era como ser e de repente a sensação era que estava retrocedendo para aquele que sofria calado e deixava o mundo brincar como se fosse uma massinha de modelar, meu estado é o de extremos, de sensibilidade, prepotência e resistência, choro contido e birra..

Para alguém de sentimentos fere-se a alma ao ver alguém se despir de si tudo que se tem carregado da vida, agir para fazer do mundo um lugar melhor não tem nada de fácil ao perceber que você esta jogando com a vida, sem volta, que deixa marcas, que fere, que liberta e que talvez só possa fazer bem a quem um dia irá nascer depois que o mundo perceber que tudo que você escolheu na verdade só fez retroceder a vida de quem morreu, para que assim se toquem aos montes que fazer um mundo melhor é lutar por sua felicidade e realização.

Refletir é uma grande questão, só que as vezes estamos tão enquadrados que não nos permitimos fugir mesmo que ao extremos do racional e emocional para enxergar o que tanto passou despercebido, o sangue derramado pela história, as lágrimas de dor, e os gritos tão íntimos que não entraram para a história. Uma hora tudo vai passar e quisera o tempo que nossas idiotices não se perpetuem.

20/03/2014

Amostras

Nunca me faltou tanto as palavras e acho que a você também, me faz ver que não mudo só, não me calo só, meio que nos mancamos juntos; feliz da árvore do jardim que aguenta os maus tempos? dói menos não caminhar para não ter bolhas a incomodar? é engraçado como cambalear lado a lado se torna natural.

Se os meses tem algo a ver com isso, eu não sei, mas não quero me fingir de cego, basta de deficiências para cobrir esse jogo de poucas apostas onde tudo se põe a mesa; quero colocar minha lágrimas em cápsulas para que tenhas razão em achar todas elas uma droga de lastima em um mundo em que nossos sofrimentos são graças a quem não acha graça em não ser tratado com humanidade.

Fui perdendo os sorrisos, deixando-os pela rua como calçados quebrados. Estou perdendo a imaginação de me ver no futuro, é desesperador não se ver.


Sentimos falta de tudo que é bom e não acontece novamente, não é querer o passado de volta mas um futuro de bons momentos; logo chegará os ventos frios do outono e então tudo pode piorar. Eu quero esquentar minha casa e estar bem aconchegante, mas e a árvore lá fora?



"Só sabe que estava bem quando se sente mal
Só odeia a estrada quando sente saudade de casa" (Let Her Go - Passenger)

28/02/2014

Oscar 2014 - Veja a lista dos indicados e vencedores na 86° Premiação

A cerimônia do Oscar 2014 aconteceu em 2 de março, em pleno domingo de Carnaval, com Ellen DeGeneres como apresentadora e transmissão ao vivo pela TV por assinatura pelo canal TNT.

"12 Anos de Escravidão" é o Melhor Filme, mas "Gravidade" é o grande vencedor da noite com 7 estatuetas.

Entre os principais indicados estavam os filmes "Gravidade" e "Trapaça", com dez cada. O longa "12 Anos de Escravidão" conquistou nove indicações, entre elas a de melhor filme, melhor ator para Chiwetel Ejiofor e diretor para Steve McQueen. Empatados com seis indicações cada ficaram "Capitão Phillips", "Nebraska" e "Clube de Compras Dallas". Já "Ela" e "O Lobo de Wall Street" conquistaram cinco indicações.

A produção brasileira inscrita para concorrer ao prêmio de melhor filme em língua estrangeira, "O som ao redor", de Kléber Mendonça Filho, já está fora da disputa desde o dia 20 de dezembro, quando foi divulgada uma lista de nove pré-selecionados para a categoria.


Veja a Lista Completa dos Indicados e Vencedores:

MELHOR FILME
Trapaça |Palpite do Blogueiro|
12 Anos de Escravidão
Gravidade
O Lobo de Wall Street
Clube de Compras Dallas
Ela
Capitão Phillips
Nebraska
Philomena

MELHOR DIRETOR
Steve McQueen (12 Anos de Escravidão)
David O. Russell (Trapaça) |Palpite do Blogueiro|
Martin Scorsese (O Lobo de Wall Street)
Alfonso Cuarón (Gravidade)
Alexander Payne (Nebraska)

MELHOR ATOR
Chiwetel Ejiofor (12 Anos de Escravidão)
Matthew McConaughey (Clube de Compras Dallas) |Palpite do Blogueiro|
Bruce Dern (Nebraska)
Christian Bale (Trapaça) 
Leonardo DiCaprio (O Lobo de Wall Street)

MELHOR ATRIZ
Amy Adams (Trapaça) |Palpite do Blogueiro|
Sandra Bullock (Gravidade)
Cate Blanchett (Blue Jasmine)
Judi Dench (Philomena)
Meryl Streep (Álbum de Família)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Michael Fassbender (12 Anos de Escravidão)
Bradley Cooper (Trapaça) 
Barkhad Abdi (Capitão Phillips)
Jared Leto (Clube de Compras Dallas) |Palpite do Blogueiro|
Jonah Hill (O Lobo de Wall Street) 

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Lupita Nyong'o (12 Anos de Escravidão)
Jennifer Lawrence (Trapaça) |Palpite do Blogueiro|
Julia Roberts (Álbum de Família)
June Squibb (Nebraska)
Sally Hawkins (Blue Jasmine)

MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO
Os Croods
Ernest e Célestine
Frozen - Uma Aventura Congelante |Palpite do Blogueiro|
Vidas ao Vento
Meu Malvado Favorito 2

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Alabama Monroe (Bélgica) |Palpite do Blogueiro|
A Grande Beleza (Itália) 
A Caça (Dinamarca)
Omar (Palestina)
A Imagem que Falta (Camboja)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
A um Passo do Estrelato
O Ato de Matar
A Praça Tahrir |Palpite do Blogueiro|
Cutie and the Boxer
Guerras Sujas

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Woody Allen (Blue Jasmine)
Spike Jonze (Ela) |Palpite do Blogueiro|
Bob Nelson (Nebraska)
Eric Singer e David O. Russell (Trapaça)
Craig Borten e Melisa Wallack (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
John Ridley (12 Anos de Escravidão) |Palpite do Blogueiro|
Julie Delpy, Ethan Hawke e Richard Linklater (Antes da Meia-noite)
Billy Ray (Capitão Phillips)
Terence Winter (O Lobo de Wall Street)
Steve Coogan e Jeff Pope (Philomena)

MELHOR FOTOGRAFIA
Philippe Le Sourd (O Grande Mestre)
Emmanuel Lubezki (Gravidade) |Palpite do Blogueiro|
Bruno Delbonnel (Inside Llewyn Davis - Balada de um Homem Comum)
Phedon Papamichael (Nebraska)
Roger Deakins (Os Suspeitos)

MELHOR TRILHA SONORA
Alexandre Desplat (Philomena)
William Butler e Owen Pallett (Ela) |Palpite do Blogueiro|
John Williams (A Menina que Roubava Livros)
Steven Price (Gravidade)
Thomas Newman (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
"Let It Go" (Frozen - Uma Aventura Congelante)
"The Moon Song" (Ela) |Palpite do Blogueiro|
"Ordinary Love" (Mandela) 
"Alone Yet Not Alone" (Alone Yet Not Alone)
"Happy" (Meu Malvado Favorito 2)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
12 Anos de Escravidão
Gravidade
O Grande Gatsby
Trapaça |Palpite do Blogueiro|
Ela

MELHOR MAQUIAGEM
O Cavaleiro Solitário
Vovô Sem Vergonha
Clube de Compras Dallas |Palpite do Blogueiro|

MELHOR FIGURINO
12 Anos de Escravidão
Trapaça |Palpite do Blogueiro|
O Grande Gatsby
The Invisible Woman
O Grande Mestre

MELHOR EDIÇÃO
Jay Cassidy e Crispin Struthers (Trapaça)
Christopher Rouse (Capitão Phillips)
Alfonso Cuarón e Mark Sanger (Gravidade) |Palpite do Blogueiro|
Joe Walker (12 Anos de Escravidão)
Clube de Compras Dallas

MELHORES EFEITOS ESPECIAIS
Gravidade |Palpite do Blogueiro|
O Hobbit: A Desolação de Smaug 
Homem de Ferro 3
O Cavaleiro Solitário
Além da Escuridão - Star Trek

MELHOR EDIÇÃO DE SOM
Até o Fim
Capitão Phillips
Gravidade |Palpite do Blogueiro|
O Grande Herói
O Hobbit: A Desolação de Smaug

MELHOR MIXAGEM DE SOM
O Hobbit: A Desolação de Smaug 
Capitão Phillips
Gravidade |Palpite do Blogueiro|
Inside Llewyn Davis - Balada de um Homem Comum
O Grande Herói

MELHOR CURTA-METRAGEM
Aquel No Era Yo 
Helium |Palpite do Blogueiro|
Pitääkö Mun Kaikki Hoitaa?
The Voorman Problem
Avant Que De Tout Perdre (Just Before Losing Everything) *

MELHOR CURTA-METRAGEM DE ANIMAÇÃO
Get a Horse!
Feral |Palpite do Blogueiro|
Mr. Hublot
Possessions
Room on the Broom

MELHOR CURTA-METRAGEM DE DOCUMENTÁRIO
Facing Fear
Karama Has No Walls
The Lady in Number 6: Music Saved My Life |Palpite do Blogueiro|
Prison Terminal: The Last Days of Private Jack Hall
CaveDigger


24/02/2014

Sem Motivos

Cena do filme "Her"
Poderia descrever os últimos dias e isso não seria muito interessante, normalmente buscamos o que nos deixa confortável, durante essa leitura permaneceriam os problemáticos e os que sentem prazer na dor.. entendi que muitas vezes os olhos dos indivíduos que fitam nossos passos não são tão bons assim, querem buscar algo que nunca tenham visto e talvez despertar uma sensação nova; eis a grande novidade desse mundo, a busca por coisas que nos preencham de um forma nunca vista e nunca alcançada, é uma ilusão criada e alimentada durante todos os momentos em que paramos refletindo sobre a vida.

Não, não me sinto no direito de julgar o que você deva buscar ou tentar viver, sinceramente acho que temos o direito a isso e, sem ser hipócrita, também busco a todo instante um sentido ou uma forma de encontrar na vida aquele ponto, aquela vírgula, aquela frase salvadora ou inebriante.. encontro dois pontos sempre.. talvez medo demais para parar em um ponto final, talvez controlador demais para ter uma reticências colocando reflexões onde talvez não devam existir. Como sempre posso não descrever momentos, mas nunca escaparei dos meus sentimentos.

Gostaria de chorar com mais frequência, verdade, dizem que alivia a carga, dizem que cura.. mas o que ha de errado em mim? esse sou eu, esse ser mutável, chato, que espera ser o melhor para alguém que nunca vai chegar; como tenho certeza? crio expectativas demais e esse talvez seja um motivo para acreditar nisso. Existe uma linha tênue entre estar bem e ser feliz.. sempre vou estar bem, exitem momentos de felicidade para me deixarem bem, vão existir motivos para estar bem; ser feliz talvez seja minha utopia. Uso muito "talvez" e isso talvez (rs) descreva minha insegurança em estar tão seguro.. minha completa loucura e sanidade na esperança de estar errado em um determinado dia da minha existência.

12/02/2014

"A Vida em Tons de Cinza" - Ruta Sepetys, A História de 20 Milhões de Esquecidos.

"Se eu lhes entregasse minha dignidade, o que iria me restar?"


Sinopse: 1941. A União Soviética anexa os países bálticos. Desde então, a história de horror vivida por aqueles povos raras vezes foi contada. Aos 15 anos, Lina Vilkas vê seu sonho de estudar artes e sua liberdade serem brutalmente ceifados. Filha de um professor universitário lituano, ela é deportada com a mãe e o irmão para um campo de trabalho forçado na Sibéria. Lá, passam fome, enfrentam doenças, são humilhados e violentados. Mas a família de Lina se mostra mais forte do que tudo isso. Sua mãe, que sabe falar russo, se revela uma grande líder, sempre demonstrando uma infinita compaixão por todos e conseguindo fazer com que as pessoas trabalhem em equipe. No entanto, aquele ainda não seria seu destino final. Mais tarde, Lina e sua família, assim como muitas outras pessoas com quem estabeleceram laços estreitos, são mandadas, literalmente, para o fim do mundo: um lugar perdido no Círculo Polar Ártico, onde o frio é implacável, a noite dura 180 dias e o amor e a esperança talvez não sejam suficientes para mantê-los vivos. A vida em tons de cinza conta, a partir da visão de poucos personagens, a dura realidade enfrentada por milhões de pessoas durante o domínio de Stalin. Ruta Sepetys revela a história de um povo que foi anulado e que, por 50 anos, teve que se manter em silêncio, sob a ameaça de terríveis represálias.



Embora os personagens do livro sejam fictícios, ele foi baseado em uma história real. Ruta Sepetys, a autora, é descendente de Lituanos e conversou com pessoas que enfrentaram esse pesadelo e sobreviveram, embora suas vozes tenham sido caladas durante anos pelo medo. Muitas dessas experiências foram incorporadas a estória de Lina Vilkas. O que deixa o livro ainda mais tocante, mais real.

"Eles estavam esperando. Uma mulher que também constava da lista estava dando a luz um bebê. Assim que o cordão umbilical fosse cortado, os dois seriam jogados dentro do veículo." 

Estima-se que 20 milhões de pessoas sucumbiram nas mãos de Stalin, os países bálticos perderam um terço de sua população e mesmo aqueles que sobreviveram às inumanidades soviéticas, não podiam contar a absolutamente ninguém, ou seriam mandados de volta para seus campos de trabalho forçado.

“Era arriscado carregar ou guardar nossa ração de quando Ivanov estava por perto. Ele adorava roubar nossa comida. Trezentos gramas. Era só o que recebíamos. Certa vez, eu o vi arrancar um pedaço de pão de uma velha. Ele o enfiou na boca. A mulher ficou olhando, sua boca vazia mastigando junto com a dele. Ele cuspiu o pão no pé dela. Ela se jogou no chão para pegar e comer cada pedaço.”

O livro de Ruta Sepetys é uma mensagem de amor. Ele desperta reflexão, profunda comoção e mostrou o poder que a compaixão tem de manter as pessoas de pé, quando isso é a única coisa que elas tem.

"Vocês algum dia já pensaram em quanto vale a vida de uma pessoa? Naquela manhã, a vida do meu irmão custou um relógio de bolso."

Leiam "A Vida Em Tons de Cinza", pesquisem, contem a alguém, reflitam. Coisas como a história de Lina ainda acontecem e só se perpetuam porque grande parte do mundo não sabe. Quando me refiro a mundo, quero dizer a população e não apenas seus lideres.

Book Trailer:

Site oficial da autora: http://rutasepetys.com/

Créditos:
http://www.skoob.com.br/livro/180509-a_vida_em_tons_de_cinza

" No auge do inverno, finalmente percebi que dentro de mim havia um verão invencível. " - Albert Camus

03/02/2014

Teoria das Janelas Quebradas


Há alguns anos, a Universidade de Stanford (EUA), realizou uma experiência de psicologia social. Deixou duas viaturas idênticas, da mesma marca modelo e até cor, abandonadas na via pública. Uma no Bronx, zona pobre e conflituosa de Nova York e a outra em Palo Alto, uma zona rica e tranquila da Califórnia. Duas viaturas idênticas abandonadas, dois bairros com populações muito diferentes e uma equipe de especialistas em psicologia social estudando as condutas das pessoas em cada local.

Resultou que a viatura abandonada em Bronx começou a ser vandalizada em poucas horas. Perdeu as rodas, o motor, os espelhos, o rádio, etc. Levaram tudo o que fosse aproveitável e aquilo que não puderam levar, destruíram. Contrariamente, a viatura abandonada em Palo Alto manteve-se intacta.

Mas a experiência em questão não terminou aí. Quando a viatura abandonada em Bronx já estava desfeita e a de Palo Alto estava a uma semana impecável, os pesquisadores partiram um vidro do automóvel de Palo Alto. O resultado foi que se desencadeou o mesmo processo que o de Bronx, e o roubo, a violência e o vandalismo reduziram o veículo ao mesmo estado que o do bairro pobre. Por que o vidro partido na viatura abandonada num bairro supostamente seguro, é capaz de disparar todo um processo delituoso? Evidentemente, não é devido à pobreza, é algo que tem que ver com a psicologia humana e com as relações sociais.

Um vidro partido numa viatura abandonada transmite uma ideia de deterioração, de desinteresse, de despreocupação. Faz quebrar os códigos de convivência, como de ausência de lei, de normas, de regras. Induz ao “vale-tudo”. Cada novo ataque que a viatura sofre reafirma e multiplica essa ideia, até que a escalada de atos cada vez piore, se torna incontrolável, desembocando numa violência irracional.

Baseado nessa experiência foi desenvolvido a ‘Teoria das Janelas Partidas’, que conclui que o delito é maior nas zonas onde o descuido, a sujeira, a desordem e o maltrato são maiores. Se se parte um vidro de uma janela de um edifício e ninguém o repara, muito rapidamente estarão partidos todos os demais. Se uma comunidade exibe sinais de deterioração e isto parece não importar a ninguém, então ali se gerará o delito.

Se se cometem ‘pequenas faltas’ (estacionar em lugar proibido, exceder o limite de velocidade ou passar com o sinal vermelho) e as mesmas não são sancionadas, então começam as faltas maiores e delitos cada vez mais graves. Se se permitem atitudes violentas como algo normal no desenvolvimento das crianças, o padrão de desenvolvimento será de maior violência quando estas pessoas forem adultas.

Se os parques e outros espaços públicos deteriorados são progressivamente abandonados pela maioria das pessoas, estes mesmos espaços são progressivamente ocupados pelos delinquentes.

A Teoria das Janelas Partidas foi aplicada pela primeira vez em meados da década de 80 no metrô de Nova York, o qual se havia convertido no ponto mais perigoso da cidade. Começou-se por combater as pequenas transgressões: lixo jogado no chão das estações, alcoolismo entre o público, evasões ao pagamento de passagem, pequenos roubos e desordens. Os resultados foram evidentes. Começando pelo pequeno conseguiu-se fazer do metrô um lugar seguro.

Posteriormente, em 1994, Rudolph Giuliani, prefeito de Nova York, baseado na Teoria das Janelas Partidas e na experiência do metrô, impulsionou uma política de ‘Tolerância Zero’. A estratégia consistia em criar comunidades limpas e ordenadas, não permitindo transgressões à Lei e às normas de convivência urbana. O resultado prático foi uma enorme redução de todos os índices criminais da cidade de Nova York.

A expressão ‘Tolerância Zero’ soa a uma espécie de solução autoritária e repressiva, mas o seu conceito principal é muito mais a prevenção e promoção de condições sociais de segurança. Não se trata de linchar o delinquente, pois aos dos abusos de autoridade da polícia deve-se também aplicar-se a tolerância zero.

Não é tolerância zero em relação à pessoa que comete o delito, mas tolerância zero em relação ao próprio delito. Trata-se de criar comunidades limpas, ordenadas, respeitosas da lei e dos códigos básicos da convivência social humana.

Essa é uma teoria interessante e pode ser comprovada em nossa vida diária, seja em nosso bairro, na rua onde vivemos.

A tolerância zero colocou Nova York na lista das cidades seguras.

Esta teoria pode também explicar o que acontece aqui no Brasil com corrupção, impunidade, amoralidade, criminalidade, vandalismo, etc.

Reflita sobre isso!

Via: http://clinicaalamedas.wordpress.com/2013/08/25/teoria-das-janelas-partidas/

Fonte original: acesse o artigo
http://www.manhattan-institute.org/pdf/_atlantic_monthly-broken_windows.pdf

29/01/2014

Na Semana do Dia Internacional de Memória ao Holocausto o Mundo Lembra Suas Vítimas

"8.861.800, esse foi o número provável de judeus sob o controle direto ou indireto dos nazistas nos países europeus. E calcula-se que eles exterminaram mais de dois terços deles, ou 5.933.900. Os números são a tal ponto gritantes que, se assassinassem um judeu por minuto, a máquina de destruição humana montada pelos nazistas demoraria dez anos trabalhando 24 horas por dia." (O Colecionador de Lágrimas - August Cury)

Os cerca de 6 milhões de judeus mortos pelo regime nazista são homenageados pelas Nações Unidas esta segunda-feira (27/01/2014), Dia Internacional em Memória às Vítimas do Holocausto.

A Assembleia Geral faz uma cerimônia especial, com a participação do diretor de cinema Steven Spielberg, que também criou a Fundação Shoah, logo após lançar o filme A Lista de Schindler.

Para observar a data, a ONU e o Museu Estadounidense Memorial do Holocausto estão divulgando o documentário "A Trajetória do Genocídio Nazista", que está sendo exibido em vários países. A TV Brasil transmitiu o filme na noite de domingo, no programa DOC Especial.

Auschwitz

O Secretário-Geral da ONU visitou o campo de Auschwitz em novembro do ano passado e afirma ter sido um momento inesquecível. Numa mensagem, Ban Ki-moon relembra ter visto "o que restou da horrível máquina do genocídio".

Ele cita os locais onde "judeus, povos roma e sinti, homossexuais e pessoas com deficiência passaram seus últimos dias nas condições mais brutais".

O Secretário-Geral destaca que a ONU foi fundada para prevenir que este tipo de horror voltasse a acontecer. Mas Ban Ki-moon lamenta que tragédias em "Camboja, Ruanda e Srebrenica mostrem que o veneno do genocídio continua escorrendo".

Dignidade

Ban espera que os povos do mundo unam forças neste Dia Internacional numa "jornada por um mundo digno e igual para todos".

A alta comissária para os Direitos Humanos também divulgou uma mensagem em memória às vítimas do Holocausto. Navi Pillay sugere a "todos os que negam a existência do genocídio, são anti-semitas ou não têm tolerância racial, religiosa e étnica", que visitem um campo de concentração nazista.

Segundo Pillay, que também esteve em Auschwitz, é "humilhante e angustiante a experiência de sentir a frieza do mal e da enorme tragédia que atravessou paredes e terrenos" do campo.

Crimes de Guerra

A alta comissária destaca que ainda hoje, pessoas são perseguidas e discriminadas por sua raça, religião, origem, orientação sexual ou posição política. Ela cita a situação na Síria, na República Centro-Africana e no Sudão do Sul.

Por isso, Navi Pillay diz ser preciso "parar de fechar os olhos para os sinais alarmantes das sérias violações aos direitos humanos", independente de onde ocorrem.

A alta comissária afirma que por enquanto, resta honrar milhões de pessoas assassinadas por outros seres humanos, que utilizaram a propaganda e a política do ódio para justificar tais crimes de guerra.

Por: Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

Veja algumas fotos:

Idoso toca o muro em que estão gravados os nomes das vítimas do regime nazista no Memorial do Holocausto de Budapeste, na Hungria. O dia da libertação do campo de concentração de Auschwitz lembra os seis milhões de judeus mortos no genocídio, sendo que mais de meio milhão eram húngaros. Foto: Laszlo Balogh/Reuters.


Membros de uma delegação do Knesset, o Parlamento de Israel, visitam o campo de concentração de Auschwitz, na Polônia para marcar o Dia Internacional em Memória às Vítimas do Holocausto. Foto: Kacper Pempel/Reuters.


Homem visita memorial coberto de neve em Berlim no Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto. O genocídio promovido pelo regime nazista é lembrado na data de libertação do campo de concentração de Auschwitz, na Polônia. Foto: Markus Schreiber/AP.



Um sobrevivente do Holocausto visita o campo de Auschwitz. (27/1/2014). Foto: Reuters/Kacper Pempel.


Uma sobrevivente do Holocausto anda pelo campo de concentração de Auschwitz. (27/1/2014). Foto: Reuters/Kacper Pempel.


Em Budapeste, uma mulher húngara que sobreviveu ao Holocausto acende uma vela com sua parente em frente ao muro que contém todos os nomes das vítimas do Holocausto na Hungria. Foto: Reuters/Laszlo Balogh.


Cerca do campo de concentração nazista de Auschwitz-Birknau, na Polônia, o mais icônico da Segunda Guerra Mundial. Foto: Reuters/Kacper Pempel.


No museu Yad Vashem, em memória do Holocausto, em Jerusalém, visitantes observam o "Hall dos Nomes", com paredes e teto cobertos por nomes e fotos de vítimas. Foto: Uriel Sinai/Getty Images.


Soldados israelenses no museu Yad Vashem, em Israel. No chão, há sapatos usados pelas vítimas do Holocausto. Foto: Uriel Sinai/Getty Images.


Flores são deixadas na escultura "Trens da Vida-Trens da Morte", dos artistas Frank Meisler e Arie Ovadia, em estação de trem em Berlim, Alemanha. A escultura faz parte do Memorial Kindertransport. Ela e outras três obras lembram as 10 mil crianças judias que foram salvas ao serem transportadas da Alemanha para a Inglaterra, meses antes de eclodir a Segunda Guerra Mundial. Elas homenageiam, também, as 1,6 milhão de crianças que foram mortas no Holocausto. (27/1/2014). Foto: Reuters/Tobias Schwarz.


14/01/2014

Escolhi Partir

Tem dias que a vida parece tão pequena que eu não sei onde me esconder, busco um outro mundo, maior e até construído por mim para esconder minha solidão, minha cara de tristeza e minhas fraquezas.
Tem dias que a vida é grande demais, em que um sorriso fica perdidão nesse mundo de meu Deus, o mundo parece careta, as pessoas parecem mais limitadas que o normal, ou é isso ou é alegria demais da conta, que aliás, não é da conta de ninguém.
Tem dias que o mundo é pequeno demais pra nós dois, tem dias que o mundo é pequeno demais para mim.
É uma falta de paciência, um tic-tac que mata mais que a via expressa.

Eu vejo jovens perdidos, jovens iludidos, de tudo que é jeito e qualidade.. sabe, parei até de contar! o que não passa pela minha fatal percepção eu deixo passar (quase nada, por enquanto), sem mais questionamentos, sem outro interesse, que não haveria de ter porque nunca teve sentido por assim dizer.

Empalado
Pálido
Lido .. friamente, lido cada página e constatado o fatídico fim da humanidade. Triste fim.

De nada adiantou se adiantar, não chegou antes do dia nascer, perdeu tempo, jogou com o tempo, inocentemente julgou ser capaz de suportar a aposta de ser inconsequente sem consequências; eu observava da janela da minha casa os muros que não me deixavam ver a destruição das vidas que brincam de viver, que fazem de si a rainha de copas e dos outros seu joguinho particular. Acorde.

Eu tenho que ir, sempre tenho que ir..