20/03/2014

Amostras

Nunca me faltou tanto as palavras e acho que a você também, me faz ver que não mudo só, não me calo só, meio que nos mancamos juntos; feliz da árvore do jardim que aguenta os maus tempos? dói menos não caminhar para não ter bolhas a incomodar? é engraçado como cambalear lado a lado se torna natural.

Se os meses tem algo a ver com isso, eu não sei, mas não quero me fingir de cego, basta de deficiências para cobrir esse jogo de poucas apostas onde tudo se põe a mesa; quero colocar minha lágrimas em cápsulas para que tenhas razão em achar todas elas uma droga de lastima em um mundo em que nossos sofrimentos são graças a quem não acha graça em não ser tratado com humanidade.

Fui perdendo os sorrisos, deixando-os pela rua como calçados quebrados. Estou perdendo a imaginação de me ver no futuro, é desesperador não se ver.


Sentimos falta de tudo que é bom e não acontece novamente, não é querer o passado de volta mas um futuro de bons momentos; logo chegará os ventos frios do outono e então tudo pode piorar. Eu quero esquentar minha casa e estar bem aconchegante, mas e a árvore lá fora?



"Só sabe que estava bem quando se sente mal
Só odeia a estrada quando sente saudade de casa" (Let Her Go - Passenger)
Postar um comentário