19/07/2014

Quem sabe lá..

Pintura: Duy Huynh
Enquanto eu tento fazer de meu mundo um lugar confortável para se estar, as coisas que guardo gritam no lugar onde reservei para ser o baú de tudo que tirei de vista. Eu sempre tentei ser o que realmente achava que era como ser e de repente a sensação era que estava retrocedendo para aquele que sofria calado e deixava o mundo brincar como se fosse uma massinha de modelar, meu estado é o de extremos, de sensibilidade, prepotência e resistência, choro contido e birra..

Para alguém de sentimentos fere-se a alma ao ver alguém se despir de si tudo que se tem carregado da vida, agir para fazer do mundo um lugar melhor não tem nada de fácil ao perceber que você esta jogando com a vida, sem volta, que deixa marcas, que fere, que liberta e que talvez só possa fazer bem a quem um dia irá nascer depois que o mundo perceber que tudo que você escolheu na verdade só fez retroceder a vida de quem morreu, para que assim se toquem aos montes que fazer um mundo melhor é lutar por sua felicidade e realização.

Refletir é uma grande questão, só que as vezes estamos tão enquadrados que não nos permitimos fugir mesmo que ao extremos do racional e emocional para enxergar o que tanto passou despercebido, o sangue derramado pela história, as lágrimas de dor, e os gritos tão íntimos que não entraram para a história. Uma hora tudo vai passar e quisera o tempo que nossas idiotices não se perpetuem.
Postar um comentário