11/09/2014

Sobre os dias..

Preciso dormir mas estou em fuga, insistentes são os perseguidores que me cercam, quebro janelas para afugentar-me, escalo precipitações em busca de um momento de paz.. tento olhar para o teto ou o céu e me perder em alucinações, melhor seria fechar os olhos para que as lágrimas não escorressem para meus ouvidos; lutarei enquanto viver, sim, porque são poucas as formas de se estar longe do embate direto.

Mera ilusão achar que somos sempre vítimas, somos sempre perseguidores, nunca damos sossego a seja lá quem for, parece até certo ponto dois pesos e duas medidas a se formar em nossa mente. Somos tão sonsos quanto quando tirávamos a casca de nossas feridas.

Pintura: Duy Huynh
Fico imaginando a dor da liberdade tardia desde mundo, da ignorância nunca tratada ou reconhecida que fez com que a felicidade fosse apenas um objeto de ficção cinematográfica.

Quero ver onde vou chegar, por isso mantenho os olhos abertos, mesmo que as luzes não estejam acessas mantenho-os abertos, liberdade não sei se terei, mas se acaso eu perecer rememore meus olhos negros, porque estaria sempre a buscar a liberdade nos dada por natureza.
Postar um comentário