31/10/2014

Dias Desconhecidos

Um dia minhas palavras livres como deveriam ser, atingirá seu peito em cheio, será um baque, um golpe nunca esperado.

Entre linhas e dias de páginas preenchidas com tanto para tão pouco dizer, era um eu te amo, era um pedido de carinho, era a vontade de carinhar; entre tamanho barulho na ponta da caneta era a simples expressão do nosso sentimento.

O tempo é e foi necessário, mas é um necessário que nos tira muitos momentos, muitos batimentos cardíacos, nos tira dias desconhecidos.

Essa semana vi no jornal as lágrimas de quem perdeu alguém que amava, pensei se alguém estaria chorando e triste por quem esta se perdendo enquanto permanece em pé, junto na mesa do café, trocando sorrisos (sorriso de socorro).

Tudo isso pra resumir o dia de hoje, acha que não? Ah.. me diz como foram todos os dias de abril de cinco anos atrás?.. de três?.. hum..

Um dia minhas palavras, livres.. iram transpassar você e o tempo e serão conhecedoras de nossos dias.


16/10/2014

A Cor Dos Sentidos

Entre as cores do mundo escolhi a cinza para dar o tom refinado, o tom certo aos olhos e a perfeita sutileza de fixarem o olhar que produzem pensamentos curtos.

Tentei traduzir minha alma algumas vezes e em todas elas existem partes que desconheço seu verdadeiro significado, talvez aprender sumério fosse mais fácil.

Insisti em entregar-te à imensidão do mar e ele devolvia-me a cada tentativa emitindo seu som, que chegava a mim com singela brisa dizendo que em si já carregava sua própria beleza e seus próprios temores.

Cheguei até o deserto, seus fragmentos ao vento não me deixavam ver, tinha a escolha de entrar de olhos fechados e enfrentar a solidão que em si a tinha encontrado.


“Mas não somos todos estrelas perdidas
Tentando iluminar o escuro?
Quem somos nós?
Apenas uma partícula de poeira dentro da galáxia
O que sou eu?” (Lost Stars – Adam Levine)

Foto: Olivier Valsecchi

01/10/2014

Som da Sonda Sonar

Fecho os olhos e danço, na escuridão do sentido humano vejo-me em completo detalhe e perfeição com movimentos claros e precisos, sinto-me em desinibição e liberdade de expressão e encontro na solitária sala de espelhos a profunda sensibilidade de poder ser um sonho.

Sentado e em movimento crio no movimento da paisagem pela janela um mundo em que sou protagonista de uma música perfeita, em que posso andar em compassos, abrir a boca e cantar, gesticular a batida que pulsa e agita, chorar de felicidade sem questionamentos, dar beijos e distribuir abraços como se perfeito fosse à aceitação do amor fraterno ou passional.

Pink em apresentação ao vivo da música "Try"
Entramos no cenário agressivo natural.. então a sintonia do som nos muda a feição, batemos o pé e peitamos a situação com coragem de quem resolve problemas e não como quem cria a partir disso um cinismo para prolongar o que não tem necessidade; soltamos o impulso do conhecimento de quem já viveu para saber que não se precisa ser preciso e então somos quem somos, com som ou sem tom na procura de uma melodia representativa.