22/07/2011

Tranquilidade

Respirar talvez seja a coisa mais sensata a se fazer, se manter calmo pode não ser tão fácil pela vida que se leva, ou vai facilitando a medida que se vive; é... duvido muito que você tenha prestado atenção no céu do dia que se passou, ou ao menos se lembra que existe um, vai saber.

A tranquilidade é medida em si pela segurança de onde se encontra, procurar os meios e as colocações de forma a compreender que muitas vezes se deixar levar pode ser a melhor forma de acrescentar vida às suas horas. Todas as pessoas de certa forma fazem com que aprendamos algo novo, aprendamos a desaprender, e ai está a parte do caminho que nos faz parar, respirar, analisar, aprender e novamente se deixar levar.

Temos todo o direito de nos deixar preencher pelo vazio, todo o direito de sentir a dor da forma que quiser; mas nunca esquecer que não se deve perturbar ninguém pelo seu vazio ou dor, porque isso é seu direito e não obrigação de ninguém.

Pensamos e apenas pensamos.. e se? [...] Medo de perder a tranquilidade por um dia, medo de não mais encontrá-la nas ruas, nas cidades, em casa. Aprender a caminhar é uma estrada talvez inevitável, muito menos saberemos quem encontraremos pelo caminho. Tranquilidade.. nunca a tivemos, apenas olhamos pra ela, estáticos.
Postar um comentário